Mural da rua da Fábrica da Estamparia

Fotos finais do mural de Telmo Alcobia, baseado na história dos bairros que criaram as memórias deste projeto. Não deixem de passar na rua da Fábrica da Estamparia, e ver por vocês mesmos  

8 murais contando história(s) e memória(s) comuns à Curraleira e ao Casal do Pinto. Estamos muito perto do resultado final!

As crianças e jovens do bairro estiveram a ajudar à preparação de uma das paredes.

19575199_1165651160205479_5968108974502825409_o

 

Parede da Rua Carlos Botelho

Um novo mural por Francisco Camilo e Vera Fonseca no Bairro Carlos Botelho. Parede de que Nininho Vaz Maia é o padrinho. Desta vez vamos revelar um pouco das memórias que inspiraram os artistas para este mural. SUSPENSE………….
Aqui vai : Esta parede vai fazer referência ao incêndio trágico que se viveu na Curraleira em 1975 , às barracas, mas também – por se encontrar em frente a um parque infantil – à alegria das crianças que mesmo com muito pouco eram felizes e brincavam livremente pelo(s) bairros(s). Inúmeros/as moradores/as recordam a antiga Curraleira com um sorriso nos lábios e um brilho nos olhos, falando de uma infância pobre mas feliz. Aliás a memória das barracas e da infância feliz apesar dos muito pouco recursos é uma memória também dos/as moradores/as da Picheleira e do Casal do Pinto. Memórias comuns, paredes de todos/as

18836998_1593773547301816_3208742550163549525_o

 

 

Mural no Bairro João Nascimento da Costa

E hoje um dos momentos tão esperados! Mural no Bairro João Nascimento da Costa (na Rua Almirante Sarmento Rodrigues) feito pelo nosso artista Telmo Alcobia . Mural que lembra a “rampa do Bandeira” tal como ela era conhecida e e chamada pelos/as moradores/as , pela qual as crianças e jovens desciam com os carros de esfera por eles construidos. Mural que evoca também o facto de não haver antes água canalizada e das mulheres se encontrarem nos tanques, que eram também espaço de socialização.
De que estão à espera? Venham daí ver com os vossos proprios olhos este e os outros murais que estão a ser feitos!
Paredes que falam das suas gentes e territórios.

18953273_1639578902749699_2280211544144840517_o

Obrigado !

Quem tem, quem é, quem sente comunidade, tem tudo!;)
O café/pastelaria Marinho, estabelecimento muito conhecido aqui no bairro João Nascimento da Costa e gerido pela Dália, a Teresa e a Paula, apoia o projeto disponibilizando gratuitamente o almoço aos artistas do Pa-Redes!
Um grande obrigada a elas!
E já agora convidamo-vos a virem ao Marinho, beber um copo, e/ou comer por exemplo um belo de um bitoque ou uma sopa caseira, e ainda poderão ter conversa informal da boa sobre os mais diversos assuntos. Com sorte ainda serão convidados a jogar uma cartada , dançar com a Natalia, ou ainda ouvir o Nininho Vaz Maia a cantar. Na foto: a Dália e o Terrinas (padrinho de um dos murais) com a t.shirt do projeto

As nossas memórias nas nossas paredes

E (re)começamos! De hoje até 30 de Junho “as nossas memórias nas nossas paredes” , paredes que vão falar das suas gentes e territórios. Esta semana o nosso artista do projeto, que nos tem acompanhado desde o início, Telmo Alcobia a pintar uma empena com memórias escolhidas pelos/as moradores/as. Curiosos/as para saber de que memórias se trata?? Têm que cá vir e saberão!  O telmo é apoiado de perto pela Esmeralda , moradora do bairro e madrinha da parede, pela Carla, dinamizadora comunitária do projeto e da Vanessa, nossa voluntária europeia licenciada em história de arte, uma animadora nata grande entusiasta do projeto, tudo sob a lente da nossa Melens , voluntária europeia que nos tem dado um apoio fundamental na área da comunicação. Passo a passo, parede a parede